Qual a relação entre violência doméstica e a vítima continuar a ser herdeira do marido/ companheiro?

Herdeiros são aqueles indicados pela lei.

A lei classifica alguns dos herdeiros como sendo necessários, o que significa que, sempre que existirem em determinada família, receberão os bens da herança.

São herdeiros necessários os descendentes (filhos, netos), ascendentes (pais e avós) e o cônjuge/ companheiro.

De todos os herdeiros necessários, os únicos que podem deixar de ter um vínculo são o cônjuge e companheiro entre si. Avós, pais e filhos têm um vínculo eterno.

O vínculo entre cônjuges e companheiros pode ser rompido de fato, sendo o caso mais comum a simples retirada de um dos parceiros da casa, encerrando a vida em comum.

Nesse caso, o vínculo jurídico permanece. Cônjuges continuam oficialmente casados e companheiros mantêm a união estável.

Somente com o divórcio ou com a dissolução da união estável se tem o rompimento definitivo da relação entre os parceiros.

Na prática, nota-se que muitos cônjuges e companheiros permanecem anos sem oficializar o divórcio ou a dissolução da união estável.

Com a separação de fato, a relação conjugal ou de convivência não produz mais nenhum efeito?

O cônjuge ou o companheiro deixam de ser herdeiros a partir da separação de fato?

Em outras palavras, os cônjuges/ companheiros separados de fato podem ser herdeiros um do outro?

A resposta é sim. A lei sustenta alguns efeitos sucessórios em relação à separação de fato.

O cônjuge e o companheiro continuam a ter a qualidade de herdeiro na situação de separação de fato.

E até quando eles mantêm a qualidade de herdeiros?

Existem duas situações previstas na lei.

A primeira estabelece a manutenção da condição de herdeiro pelo prazo de dois anos, a partir da separação de fato.

A violência doméstica e a manutenção da qualidade de herdeira

Agora, temos a seguinte situação, que infelizmente é muito comum em nosso cotidiano.

Não suportando mais os ciclos de violência doméstica, a esposa ou companheira decide sair de casa, após 20 anos de relação.

Vai à delegacia, lavra um boletim de ocorrência e faz um corpo de delito, que atesta a existência de lesões corporais.

O juiz determina a aplicação de medida protetiva contra o marido/ companheiro, que deve manter distância de 200 metros de sua ex-parceira.

Eles nunca fizeram o divórcio ou a dissolução da união estável.

Após cinco anos de retirada da mulher de sua casa, o parceiro vem a falecer.

Passaram-se os dois anos que a lei prevê para a manutenção da qualidade de herdeiro dos separados de fato.

Então, a vítima de violência doméstica não seria mais herdeira?

Nesse caso, ela mantém a sua condição de herdeira, mesmo após o prazo de dois anos.

É que a separação de fato só ocorreu por culpa do marido, quer dizer, a mulher saiu de casa porque sofria violência doméstica.

E ela tem provas de que o ex-marido/ companheiro tornou impossível a convivência entre eles.

A lei ampara as vítimas de violência nesse caso, não se admitindo que a vítima, que foi parceira na relação afetiva e colaborou por anos com a construção do patrimônio do casal, não possa participar da herança.

Obs 1: as explicações acima se aplicam à separação judicial, pois, nesse caso, se mantém vínculo conjugal.

Compartilhe em suas redes sociais

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Outros Artigos

Ainda não achou o que precisa?

Continue Procurando

Precisa de ajuda?